quinta-feira, 17 de julho de 2014

DIÁRIO DA NATUREZA



Gracinda Calado


Todos os dias a mesma coisa.
O sol torna a brilhar e envolver a natureza com sua luz e seu calor! 
O céu prateado de estrelas nas noites enluaradas, continua inspirando aos poetas amantes da natureza cálida o romantismo de seus versos!
Nas janelas abertas o vento sopra enchendo de vida o coração dos homens, debaixo de sua sombra imperceptível.

A natureza em festa anima-se com a música dos pássaros e o amor de Deus aos poucos vai chegando no coração dos homens.
 Em  tudo existe Deus: na flor que se abre ao vento, nas águas cristalinas do riacho, na grandeza do sol, na força dos homens que correm em busca de seus trabalhos, na ingenuidade das crianças, no perfume das flores e na incondicional vontade de viver.

Como resistir ao encanto da chuva caindo em gotas mágicas e molhando tudo sobre a terra, alimentando as plantas e encharcando o solo para animar a vida e o planeta!

Ah! O Planeta terra! Maravilhosa criação da natureza e testemunha impar da criação de Deus! Nossa morada castigada e conduzida ao caos pela seca que assola o tempo, a terra árida, o chão vazio e a falta de chuvas do Nordeste brasileiro!

As adversidades do globo trazem reflexão a todos os que do planeta se esquecem, maltratam e abandonam. Os animais vítimas da fome que assola a terra e seca os rios e açudes da região!


Quem dera hoje nesse dia se ouvisse o ronco dos trovões, a luz dos relâmpagos e o cheiro de terra molhada, enquanto os rios corressem em desatino em busca do mar e alimentasse e matasse a sede dos homens trabalhadores e dos animais que ainda restam cambaleando para a morte!

 O destino de tudo se espalharia na amplidão do cosmos em festa e a alegria encheria a alma dos que sofrem no dia a dia, e aconteceria a  virada natural da natureza! CHUVA!!

quarta-feira, 2 de julho de 2014

AGRADEÇA A DEUS

Gracinda Calado

clip_image002Agradeça a Deus pela noite que passou e o dia que se levanta.

Agradeça pelo calor do sol e pelo brilho das estrelas em noite de luar.

Olhe-se no espelho e sorria, porque você está viva, com saúde e sorrindo!

Você que é bela e a todos encanta não pode ficar triste.

Alimente sua alma com a esperança e o amor que brota em seu coração.

Comemore a vida, cante as belezas da natureza e das flores dos jardins.

Lave sua alma das impurezas dos maus sentimentos e das amarguras. Lave as sujeiras que atrapalham sua visão cósmica.

Veja o mundo como ele é e como Deus se preocupou com você ao criá-lo.

Não deixe que as pequenas coisas do dia a dia estraguem seu humor,

Elas fazem parte da vida dos mortais.

Não viva radicalmente do passado, não sofra por aquilo que não volta mais.

Sorria para o espelho, converse com ele como se fosse para você mesma.

Proteja-se dos males do corpo e da alma e adore a vida, que ela é bela.

Diga palavras doces e amáveis, abrace as pessoas que você ama.

Procure sentir o prazer de viver nos braços de Jesus, apenas com uma oração.

Erga a cabeça e dê uma volta por cima desta sua tristeza.

Renove-se. Saia por aí cantando, enxugue as lágrimas que molham seu rosto.

Proporcione ao seu coração a imensa felicidade de amar.

Saia por aí gritando: ”como é linda a vida”!

terça-feira, 1 de julho de 2014

MIRAGEM

Gracinda Calado

000crpegcoração apaixonado

Senti saudades de você.

Corri para ver o luar…

Eu vi você numa estrela

Não me casei de olhar.

Você brilhava tanto!

 

Sua cor era branca,

Cristalina,

Cintilante,

Ofuscante,

Purpurina!


Soltei beijos pra você,

Tive vontade de ir até lá,

Senti um forte desejo

De tocar teu corpo estelar


Será que todas as estrelas

São assim como você?

Quanto mais a gente olha

Mais vontade tem  de vê-las….

VERDE- AMARELO

Gracinda Calado

Sou filha do verde,
do sol e do mar,
sou filho do azul,
da luz do luar!
Sou filho do ouro,
amarelo ideal,
sou filho da paz,
da fé imortal!

Eu sou brasileiro,

alegre a cantar,
sou índio guerreiro,
meu forte é lutar!

Na verde palmeira,
meu sonho deixei,
no galho da árvore,
dormi e sonhei!

domingo, 29 de junho de 2014

CANÇÃO PARA ANTONIÊTA

Gracinda Calado

Em um grande voo subiste para o céu!
Teus pés não alcançam mais o chão que tu pisaste em toda a tua vida.
Teu corpo não sente mais as impurezas da carne fétida.
Teu olhar se transformou em luz divina e teu sorriso em divinal pureza.
Sinto teu abraço apertado cheio de amor e luz.
Resplandece em ti a graça de Deus e o véu do universo em festa se abre para te receber.
As mãos de Deus se abrem para abraçar-te e envolver-te em esplendida eternidade.
Divino é teu sorriso cheio de esperança e muita paz!
O teu amor é maior que o vento que cobre o universo inteiro.

Já não vives comigo, mas existes para me proteger e eu viverei para sempre para te amar, minha mãe!

sexta-feira, 27 de junho de 2014

A ROSA AZUL

Gracinda Calado

Aquela rosa era azul, brilhava como as estrelas em noites de luar.
Às vezes causava inveja às outras rosas do jardim, pois seu perfume era inconfundível.
Nas noites de lua cheia ela surgia radiante e perfumada igual à flor jasmim.

Era uma rosa tão linda, da cor do céu e dos olhos de Maria, mãe de Jesus!
Às vezes eu ficava pensando nos mistérios da natureza, entendia como é belo viver, sentir o cheiro do mar, ver a luz das estrelas clareando a escuridão, ouvir o canto dos pássaros, o pio da coruja em noites de serração esquentando seus filhotes nos galhos secos com frio.

A natureza como a rosa azul, iluminava tudo ao redor do jardim, com sua cor diferente, seu perfume embriagava até o coração da gente!
A rosa azul era um mistério, uma rosa de rara beleza, suas pétalas eram mágicas e só se abriam em noites de lua cheia, para confundir as outras rosas que zombavam da sua cor.
A rosa azul era alegre, vibrante cheia de graça e de sedução!  

EMOÇÕES

Gracinda Calado

Vidas  feitas  de emoções,
Vibram  as cordas dos corações!
Momentos de dores  e amores,
De vidas revividas e perdidas,
Nas ilusões de cores, furta-cores.
Vidas de emoções e de canções,
Suores de  paixões descontroladas,
Caídas como bolas  enfeitadas ,
Destinadas às máscaras ocultas,
Enlouquecidas,  partidas e vividas,
No esconderijo da alma ardente,
De um vivente descontrolado e louco.
Emoções, canções e medos, orações,
Inquietude  que destrói o espírito  fraco,
Como se a noite envolvesse a calma,
A chama ardente da emoção que  lentamente
Arrasta a gente para o mais profundo   ser!
Emoção, define o som, a luz, a cor, o sentimento,
Apaga a dor, a paixão, o grande amor!
Carrega a gente  como um barco sem destino,
Sacode o coração como canção enlouquecida!

quinta-feira, 26 de junho de 2014

FRAGMENTOS

(Gracinda Calado)

O coração é partido pela separação, enquanto o sangue escorre, fragmenta-se a alma pequenina!

Os sonhos são pesadelos no universo do cérebro confuso, repartidos em momentos. Depois voltam, são jogados ao vento, voam no ar perdidos em fragmentos.

No peito o pulsar febril da alma ardente, queima na chama de um amor mal resolvido.

Encontros de outrora, desencontros de agora, passam perdidos numa noite intensa...

Primaveras de ilusões e de paixões, loucuras, desafios, sonhos de um amor, perdidos no oásis da solidão.

Fragmentos de nós dois, de uma vida que se foi, de outra que ficou na saudade que será eterna de uma linda história de amor que mal começou!

Sigo meu destino, juntando os meus fragmentos, meus pedaços e sofrimentos, cada saudade é uma história.

Cada momento é uma vitória! Em cada canto uma saudade em cada olhar uma lembrança.

No leito das ilusões, nos braços da solidão, cada pedaço representa a vida que ficou pra trás, eu junto os cacos e os farrapos e recomeço uma nova  vida, uma nova história!

domingo, 15 de junho de 2014

ANTONIETA ALVES CALADO, MINHA MÃE!

HOJE, 14 DE JUNHO, ANIVERSÁRIO DE NASCIMENTO DE MINHA MÃE, ANTONIETA ALVES CALADO.
NO PRÓXIMO ANO RELEMBRAREMOS SUA MEMÓRIA QUANDO FAREMOS A 2ª CONVENÇÃO DA FAMÍLIA CALADO, REVIVENDO OS 100 ANOS DE NASCIMENTO DE NOSSA MÃE.

ELA NASCEU NO DIA 14 DE JUNHO DE 1915.

SAUDADES DE MAMÃE!

sexta-feira, 13 de junho de 2014

VEJO VOCÊ

Gracinda Calado

Vejo você, no  arco-íris que aparece no horizonte,
Na enseada do mar e nos barquinhos que se vão,
Na luz fosca do luar e na perfeita  escuridão.

Vejo você em cada  gota de água que cai da chuva ,
Vejo você no brilho do sol quando é verão,
Vejo você nas batidas fortes do meu coração.

Vejo você nos meus olhos embargados de chorar,
Vejo você na  brisa fria da noite de nós dois,
Vejo você no doce encantamento do luar.

Vejo você na alcova perfumada do meu quarto
Nos lençóis de cetim, enfeitados de organdi.
No abajur  lilás a te esperar com meu abraço..

Vejo você no azul do céu e nas estrelas,
Na canção dos menestréis das madrugadas
Nas ruas enfeitadas por onde andamos,

Vejo você no nascer do sol em meus cabelos,
Na brisa  quente  do vento em meu rosto nu
No vibrar mais forte do meu corpo inteiro.

terça-feira, 10 de junho de 2014

VIAJANTE DAS ESTRELAS

Gracinda Calado
(Para Aldemar Barros)
 
Viajante das estrelas, sei que és,
Não sei qual galáxia te escondes,Aldemar
Nessa amplidão mágica dos céus.
 
Deixaste um rastro luminoso
Quando partiste pra outros mundos,
Sem adeus, nem gesto amoroso.
 
Quisera encontrar esses lugares,
Mágicos, sutis, misteriosos,
Em que silenciosamente te escondes.
 
Malvado é meu cruel destino,
Sempre a te procurar em uma estrela,
Encontro-te num sonho pequenino.

NA FLOR DA PELE

Gracinda Calado

Na flor da pele um arrepio,
Na flor da pele um perfume,
Na flor da pele um gosto macio.

Um arrepio de teus beijos,
Um perfume de teu corpo,
Um gosto macio de teu suor.

Na flor da pele os desejos,
Na flor da pele o teu sangue,
Na flor da pele os teus beijos,

Um desejo de te abraçar,
Sentir teu sangue pulsar,
Na volúpia de teu amor.

Na flor da pele a ilusão,
Na flor da pele a emoção,
Na flor da pele a paixão.

A ilusão de saber teus sonhos,
A emoção de teus beijos quentes
A paixão de uma noite feliz.

Na flor da pele a tatuagem do teu amor,
Na flor da pele a minha grande emoção,
Na flor da pele a história do nosso amor.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

PRECISO FICAR SÓ


Gracinda Calado

Preciso ficar só na minha companhia.
Preciso ouvir a voz do meu coração,
Falar com ele, me abrir com ele,
Deixar cair as amarras da solidão.
 
Preciso ficar só comigo mesma,
Sentir que no meu interior tem vida,
Vida vivida de maneira egoísta e erma.
 
Preciso de mim mesma para descobrir
A força do amor que mora em meu peito,
Este amor triste, desconfiado, sem jeito.

Preciso ficar só, alçar vôos mais altos,
Chegar aos céus com minhas próprias asas,
Andar com os meus próprios pés no chão,
Deixar cair a máscara que cobre a decepção...
 
Preciso ficar só com meu pensamento,
Sentir a força do vento em meu corpo frio,
Beber na fonte do amor o meu alimento,
A essência da minha longa existência.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

COISAS QUE( NÃO) SÃO DITAS

GRACINDA  CALADO

Quantas coisas são ditas na solidão,
Quantos gritos são jogados pelo chão!
Quantas bocas abertas e coração fechado
Quantas palavras são ditas e malditas!

Quantos mistérios escondidos em um coração,
Quantos amores esquecidos e adormecidos!
Quantas dores que não escorrem sangue,
Quantos atos que não são verdades nem boatos!

Quantas amarguras em coração azedo,
Quantas glórias sem amores sem vitórias!
Quantos pecados escondidos abafados,

Quantos leitos destruídos derrotados!
Quantos corações feridos, partidos, humilhados
Somente em uma noite de horror e de traição!

quarta-feira, 4 de junho de 2014

A MÚSICA E A LUA.

Gracinda Calado

Gostaria que este texto fosse feito de música,
Com todos os tons e semi-tons que a música tem.
Gostaria que a música tocasse, quando a lua apontasse ao longe.
Uma canção suave, sairia dos sinos da igreja na hora da "ave-maria".

Tocaria um concerto com a orquestração do universo,
E o meu som e o teu se misturariam em uma apoteose mística encantadora!

Como seriam os sons musicais dos meus versos?
Quando a noite chegasse, a lua nasceria para o nosso deleite noturno.
Na dança deste som imortal, as estrelas dançariam como pontos luminosos na escuridão do espaço!

Meu coração cheio de amor, ouviria o som do pulsar dos corações dos enamorados.
A música suave, nessa hora, levaria as almas para além dos horizontes, das montanhas e dos vales mais distantes.
A noite amiga, misteriosa e bela, se apresentaria com seu vestido de gala para ouvir o nosso som..
Somente a lua seria a testemunha desse concerto imortal, na noite memorável do nosso amor!


sábado, 24 de maio de 2014

AMOR VIDA DE MINHA VIDA

Gracinda Calado
Adorei teus poemas e teus versos,
Busquei-te nas entrelinhas..
Amei teu corpo e tua alma,
Bebi o mel dos teus desejos,
Agarrei-me serena em tuas entranhas.

Caminhei serena em teu olhar.
Escrevi poemas de amor só para ti.
Em teus braços me fiz mulher...


Andei com meus próprios pés,
Quando te descobri.
Meus pés tocaram pedras e espinhos.

Fiz poesias em vão para ti,
Fiz castelos na areia.
Meus castelos se desmoronaram.

Segurei o vento para não tocar teus cabelos.
Desmoronei meus sonhos de amor.

Ah Meu amado!
Que pena que te amei um dia!

Minha vida se vai e a tua também.
Vida de minha vida, adeus!

sexta-feira, 23 de maio de 2014

LEMBRANÇAS DE MEU PAI

Gracinda Calado
A música revive em atos a tua história: Um tango de Gardel.
O vento me traz momentos de alegria em que passamos juntos no solar da velha casa da ponte.
À noite ouvindo o coaxá dos sapos no jardim, ríamos de sua música dolente sem nexo ou sem entoação.
Os grilos faziam festa nas trepadeiras amarelas e roxas, cheias de flores,
E nas roseiras pequenos besouros atrevidos se encostavam,
Atraídos pelo perfume que embriagava a todos.
Quieta em um canto eu ouvia tuas histórias e façanhas do tempo da II guerra.
O sono chegava e minha mãe levava-me pelo braço para dormir.
Recordo ainda o cheiro dos teus charutos baianos, cuja fumaça se espalhava pelo ar,
E o teu olhar quase parado no tempo recordava alguma história.
Que saudades de ti meu pai!
Dos teus cuidados, do teu sorriso, da tua voz forte e do tom enérgico quando ralhavas por algum mal feito meu.
Quando eu era pequenina e ainda aprendiz das primeiras letras, 
Levava-me para teu gabinete de trabalho e me oferecias um caderno novo, lápis e borracha. Nele eu desenhava, escrevia e brincava de professora com os meus alunos invisíveis.

A CHUVA

A CHUVA

Gracinda Calado

Chuva que cai na alma, difícil de se entender,
São teus olhos chorando,
Com vontade de me ver.

A noite vem forte calada, se instala sem permissão,
Enquanto o pranto escorre
Dentro do meu coração.

Chuva que cai no telhado, molha teu peito e o  meu,
Arrasta esperanças guardadas,
No meu coração e no teu.

Chuva que trás esperanças, de fartura e de bonança,
É como um doce alívio,
pra amenizar o meu pranto.

A CRUZ

Por ANSELMO GRUM

A cruz abre uma brecha num mundo fechado que se basta a si mesmo. A cruz lembra que, na encarnação e na morte e ressurreição de Jesus, este mundo foi aberto para Deus e que Deus toca todas as áreas deste mundo. Nesse contexto, a cruz é as duas coisas: o sinal do amor incondicional de Deus, que nos alcança em todo tempo e em todo lugar, mas também o sinal do juízo que se abaterá sobre este mundo se ele continuar a se fechar em si mesmo. Este mundo terá fim. Ele não é estabelecido para sempre, mas está nas mãos de Deus. Quando Jesus morreu na cruz rasgou a cortina do templo que nos obstruía a visão de Deus. A cruz é a imagem da certeza de que este mundo já não pode obstruir nossa visão de Deus, porque ele foi aberto e marcado pelo amor de Deus. A cruz é a marca de ferrete que Deus imprimiu neste mundo, para mostrar a todos os seres humanos que o amor de Deus vence todo o ódio, que a força de Deus é a mais forte que todo poder humano que tem constantemente a pretensão de ser a autoridade ultima.